Pequinês – Dados gerais

Pequinês – Dados gerais

Na China Antiga, unicamente os soberanos chineses tinham permissão de ter um cachorro Pequinês. Eles viviam dentro da Cidade Proibida. Na ocasião em que o rei morria, o cachorro era sacrificado.
É uma das raças de cão mais antigas do planeta. Estima-se que tenha pouco mais de 4.000 anos.
É significativamente apegado ao dono e desconfiado ao máximo. Faz o tipo “é meu e ninguém toca”, mas, de fato, é um bom cão de companhia, confiável e disciplinado.
O Pequinês era visto como o cão sagrado e vivia em total distanciamento na Cidade Proibida e os registros de nascimentos eram organizados pelos eremitas no Livro Imperial dos Cães.
Reza a lenda que quando seu proprietário morria o Pequinês se sacrificava.

O Surgimento do Lindo Pequinês na História

Reza a lenda que o Pequinês apareceu como o resultado do amor impossível de um leão por uma pequena macaca. A história conta que, desesperado de amor, o leão foi pedir conselhos à divindade Hai Ho que, perante a seu desespero, ofereceu uma saída: se ele estivesse de acordo em sacrificar o seu tamanho em nome do amor à macaca, teria ajuda de Deus. O leão concordou e desse jeito teria aparecido o Pequinês: com o tamanho, inteligência e ternura da mãe e a coragem e dignidade do pai.
Além da lenda, o que se sabe a respeito da proveniência do Pequinês é que a espécie despontou na China, há mais de 4.000 anos, entretanto foi com a introdução do Budismo, no segundo século, que recebeu a alcunha de cachorro sagrado, simbolizando o “leão de Buda”.
A chegada dos Pequineses nas terras do Ocidente foi resultado do saque realizado ao Palácio do Império em Pequim pelas forças britânicas no ano de 1860. Muitos membros da realeza chinesa preferiram exterminar seus Pequineses a deixar os cachorros nas mãos de forasteiros. Dos 5 cachorros sobreviventes encontrados pelos britânicos, todos de cores diferentes, o de duas colorações (castanho e branco) foi concedido à Rainha Victória ao voltar à Inglaterra.
O primeiro padrão da espécie surgiu no ano de 1898 e o primeiro clube da raça foi instituído na Inglaterra no ano de 1904. No Brasil, nos anos 60, o Pequinês era a raça mais comum entre as de companhia. A espécie sofreu notável descaracterização, não só física, mas, particularmente, quanto à saúde e ao temperamento. E como resultado dessa descaracterização, a espécie praticamente se extinguiu depois de 10 anos.

Características do corpo do Cachorro Pequinês

O cão Pequinês é pequenino, compacto e encorpado. Tem a parte da frente do seu corpo bem grande e comprida, e a traseira muito curta. O crânio é relativamente grande com relação ao corpo. As orelhas são pequenas, juntas do crânio e detêm uma espécie de franja que se junta ao restante da pelagem. O pelo é denso, alongado, reto e um pouco crespo.
A pelagem é em dobro. A crina deve ocupar a região em torno dos ombros e em volta do pescoço. Seu subpelo é muito espesso e deve ser cuidadosamente secado toda vez que tomar banho, impedindo dessa forma o acúmulo de umidade.
Todas as colorações e marcas são permitidas para os cachorros da raça Pequinês e adoradas igualmente, com exceção do albino e da coloração de fígado. Os cães multicores apresentam manchas bem específicas. De porte pequeno, o peso da raça Pequinês fica em torno dos dois e oito quilos.

Temperamento da raça Pequinês

O Pequinês é um cão caracterizado devido a seu comportamento de ciúme e também teimosia. Costuma conviver muito bem com os homens e também outros bichos domésticos, tem necessidade de um treinamento e sociabilização. Caso contrário poderá ter momentos de agressividade com alguém desconhecido ou mesmo com outros cães.
Tem o hábito de não acatar às ordens dos seus tutores. É um cão inquieto e mesmo que se adapte muito bem em recintos pequenos necessita de atividades físicas e passeios. É um cachorro bastante fiel que resguarda os donos em situações de risco e, por possuir porte pequenino, tem o hábito de se alimentar em pequena quantidade.
Uma das principais propriedades do comportamento do Pequinês é sua “arrogância”. É um cão muito autossuficiente e que vai exigir de seu dono calma e obediência. Talvez essa seja o atributo que explique porque, conforme a classificação do pesquisador Stanley Coren, em seu livro “A Inteligência dos Cães”, a espécie ocupa só a septuagésima terceira colocação.

Vantagens de Ter um Pet Pequinês

O Pequinês não é considerado um cachorro de diversas aptidões, por pertencer a uma das espécies mais antigas do mundo, também é tido como um dos cães mais ociosos do mundo. Sendo propriedade somente da Corte do Império da China, sempre bastante paparicado, venerado e honrado, era, e até hoje continua sendo, um grande defensor de seus proprietários.
É considerado um excelente cachorro de alarme, mesmo que sejam bastante famosos por rejeitarem os indivíduos que não façam parte de seu dia-a-dia. Entretanto não deixa de ser um cachorro que acaba por se tornar um bom companheiro, em especial para crianças ou pessoas que ficam mais solitárias e que residem em locais pequenos, como em prédios. Todavia, é imensamente melindroso e apenas realiza as atividades que acha interessantes e apenas quando realmente quer.

Doenças usuais do Pequinês

Esses cães são capazes de morrer de problemas cardíacos, precisam de ar condicionado em dias que forem mais quentes em razão de serem procedentes de climas demasiadamente frios. São capazes de passar a maioria do tempo fora de casa em clima ameno, entretanto precisam dormir sempre dentro da habitação.
Como disfunções genéticas, podem desenvolver desgaste de córnea. O cruzamento do cão acontece por meio de inseminação artificial e o parto costuma ser realizado por cesárea graças ao pequeno tamanho do cachorro, que será capaz de falecer caso seja realizado um parto convencional.
Apesar do Pequinês não ser bastante propenso a enfermidades caninas hereditárias, as mais populares nesta raça são palato alongado, narinas estenóticas, luxação de rótula, distiquiasis, triquíase, dermatites, feridas nos olhos, problemas respiratórios e lesões nas costas.

Cuidados da Raça Pequinês

O pelo do Pequinês necessita de escovação, mas não tem necessidade de ser diariamente. O mais adequado é que seja executada periodicamente e sua pelagem não tem necessidade de tosa. Os pelos têm que ser escovados para ficarem menos embaraçados e a fim de que sejam tirados a pelagem morta. Em relação à tosa, sugere-se somente a que é feita com tesoura ou a tosa higiênica, especialmente, em regiões de muito calor a fim de que o Pequinês não se sinta horrível com seu pelo tosado. Já os banhos também podem ser feitos periodicamente. Seja quinzenalmente ou mensal.
Sua pelagem em volta do ânus carece sempre ser observada com o objetivo de não acumular impurezas. Eles detêm uma enorme tendência a roncar. O Pequinês é um cachorro excepcional para habitar em apartamentos.

Filhotes do Pequinês

filhotes-pequines Valente e audacioso, o Pequinês é um cão que raramente se intimida diante de um cão grande. Devido a isso, é conveniente socializá-lo desde filhote para que possa conviver muito bem com os demais cães.
Seu temperamento é, às vezes, distante e devido a isso o Pequinês não é aconselhado como cachorro de companhia às crianças, que são capazes de ferir o cachorro ou aborrecer o animal com suas brincadeiras mais desajeitadas.

Pequinês – Dados gerais
Avalie esta postagem