O GLOBO dos Animais

Pitbull – O essencial sobre

Não é uma raça aceita pelo American Kennel Club – O AKC é um dos maiores clubes de registros de espécies de cães nos Estados Unidos. E não há um registro de Pit Bull nele. Tem o American Terrier, que vários se referem como Pitbull.
Pelagem de muitas colorações – Pitbulls têm a chance de se apresentar com qualquer coloração de pelagem, com exceção do merle e albino.
Molossor – O Pit Bull faz parte da categoria “Cachorro Molossor”. Este é um conjunto de muitas espécies que são descendentes do ancião “Moloss”, um cachorro que existia na Grécia. Outras raças do conjunto são: Boxer, Bulmastife, Cane Corso, Dog Alemão, Mastim Napolitano, Rottweiler e muitos outros.
Cães babás – Os Pitbulls adquiriram este título na década de 50 por serem magníficos com criancinhas.
Troca de identidade – Numerosos cachorros denominados como Pitbulls são, na realidade, de outras espécies ou cruzas de cachorros do grupo Molossor.
Mito das mandíbulas que se “trancam” – Muitas pessoas imaginam que os Pitbulls conseguem bloquear a mandíbula, tornando impossível conseguir fazer com que soltem qualquer coisa que estejam mastigando. Apesar de terem mandíbulas fortes, pesquisas já provaram que os Pits não são diferentes das demais espécies. Ou melhor, eles não podem “trancar” a mandíbula.

O Surgimento do Pitbull na História

As origens do American Pitbull Terrier estão profundamente ligadas ao American Staffordshire Terrier. As duas espécies vêm do Staffordshire Bull Terrier, trazido das ilhas da Grã-Bretanha para o território americano no fim do século XIX. Este cachorro Inglês foi empregado, inicialmente, como um cachorro de luta e teve o registro rejeitado no prestigiado American Kennel Club (AKC).
Em razão dessa reprovação, foi fundado o United Kennel Club (UKC) para portanto registrar o que conhecemos hoje em dia como American Pit Bull Terrier. Além disso, o AKC, afinal, resolveu registrar estes cachorros de origem anglicana sob a nomenclatura de American Staffordshire Terrier e os criou para participar de exposições de cães.
No fim dos anos 30, os cachorros registrados no UKC e no AKC eram exatamente da mesma espécie. Foi durante a década de 1980 que as duas raças seguiram caminhos distintos, os cachorros de vários clubes começaram a se desenvolver física e comportamentalmente e, então, cada associação passou a definir o seu próprio exemplar.
Características do corpo do Cão da Raça Pitbull
O Pitbull é um cão veloz, vigoroso, resistente e com uma musculosidade bem determinada. É um cão de tamanho médio, dispõe de um corpo mais extenso do que alto e uma cabeça enorme. Suas orelhas são de tamanho médio e tombadas, cortadas em formato de bico, entretanto isso não é mais autorizado na maioria dos territórios. Têm pouca pelagem nas bordas e não possuem pelos na parte interna.
Seu pescoço geralmente é engrossado e curto, além de possuir mandíbulas muito vigorosas e desenvolvidas, concedendo bastante força nas suas mordidas. Sua cabeça é singular, um elemento chave quanto ao estilo da espécie. É enorme e alargada, concedendo uma imagem de grande poder, todavia não é desigual ao comprimento do corpo.
Seu pelo é brilhante, alisado, pequeno e rígido. A cauda é ligeiramente mais grossa e peluda em comparação ao restante do corpo. O revestimento da pele é reluzente, sedoso, pequeno e relativamente rígido, sendo assim o cachorro poderá ser admitido em todas as colorações, sendo, em geral, percebido em colorações mais habituais como tons lisos de preto, branco, marrom claro e escuro.

O gênio da raça Pitbull

Como propriedades básicas do temperamento do Pitbull, podemos encontrar a força, lealdade e fascínio pela vida. Cães dessa raça costumam cativar muito as pessoas, uma vez que são enormes entusiastas. Mostram-se como excelentes amigos de toda a família. Dessa forma, sempre foram conhecidos pelo seu grande afeto às crianças.
O cachorro apresenta um grau de agressão ao olhar das pessoas em função do seu físico intenso. Ele requer que o dono seja altamente precavido procurando constantemente socializar e treinar o animal para a disciplina.
A vocação que demonstra aos esportes fez com que as associações associadas à espécie criassem provas típicas que tendiam promover e incentivar a criação nos seus melhores atributos. Na atualidade, existem vários clubes que organizam eventos específicos que abrangem provas de resistência, força e rapidez.
Além do mais, os Pits são principalmente indicados a donos predispostos a possuir uma rotina de atividades físicas. Podem conviver muito bem como praticantes de agility ou somente como companheiros em corridas diárias e cooper.
Já o contato com outros cães, até mesmo os da própria raça, é quase improvável, mesmo que haja mudanças consoante as linhagens envolvidas. De forma geral considera-se conveniente manter 2 pits juntos contanto que sejam de sexos diferentes e que, preferencialmente, convivam desde filhotes.

Vantagens de Ter um Cão Pitbull

Como habilidades, o Pitbull possui uma rapidez natural para o alpinismo. O cachorro não é uma excepcional opção para segurança, dado que são afáveis uma vez que é concedido determinado privilégio, mesmo com desconhecidos.
Seu temperamento violento não é característico da raça, que possui grandes aptidões para realizar eventos performáticos e em razão de seu alto grau de esperteza, bem como desejo de trabalhar e agradar todo mundo.
Estes cães foram vedados em diversos locais devido a crença de que seriam imensamente violentos, tanto com pessoas, como com outros cachorros. De forma oposta isso, eles são capazes de ser amáveis, carinhosos e leais como qualquer outra espécie.
Quase todos os casos de violência fatais ocorrem visto que os cachorros são treinados ao confronto. Diversos são famosos no mundo das rinhas de cachorros, não por causa da sua atitude ou natureza, embora, sim, por ser uma raça extremamente robusta.

Problemas usuais do Pitbull

A expectativa média de vida do Pitbull é de 12 a 14 anos, apesar de alguns viverem por um período maior. A raça possui uma tendência à displasia do quadril maior do que a maior parte dos espécimes. É capaz de sofrer problemas de patela, tireoide e disfunção no coração, bem como defeitos de coração congênitos.
Os cães dessa espécie que apresentam uma coloração de revestimento mais diluída detêm uma maior incidência de alergias na pele. Inclusive são bem propensos a alergias de contato, apesar de não serem contagiosas, porém complicadas de tratar, porque atacam os filhotes e eles obtêm uma imunodeficiência.
O cruzamento irresponsável e o uso desses cachorros em rinhas de combate geraram casos de violência. Existem casos de cães que escaparam do lar ou do proprietário e atacaram pessoas, provocando até o hábito.

Como Cuidar de um Pitbull

Pits vivem bem em um apartamento se fizerem exercícios suficientes. São bastante dinâmicos dentro de casa e podem viver com qualidade de vida mesmo sem um espaço amplo, contanto que sejam capazes de ter espaço para se movimentar. Os Pits devem fazer atividades frequentemente e passeios diários, além de proporcionar diversões periodicamente. É fundamental começar a socializar cachorros desta espécie desde pequeno.
Não é sugerido deixar o Pitbull desacompanhado em casa por um longo tempo, pois ele é capaz de entediar-se muito fácil. Além do mais, essa espécie opta por climas muito quentes e não lida bem com tempos gelados por bastante tempo, o que exige uma condição que os proteja ao longo do inverno – de preferência, dentro da moradia.

Os Filhotes do Pitbull

Como todo Terrier, os Pits precisam de ser estimulados à obediência desde filhotes, do contrário, são capazes de desenvolver um traço intenso de temperamento dominador e sair do controle do proprietário. Inclusive é necessário que se promova a sociabilização do filhotinho não apenas com pessoas estranhas mas também com outros espécimes.
O adestramento básico de disciplina é quase impreterível para os cães que possuem estas propriedades de superioridade e atividade e, de maneira geral, os resultados despontam tanto mais rapidamente quanto maior for o comprometimento do proprietário no processo de treinamento.
Assim como os adultos , os filhotinhos são bem resistentes e repletos de gás. Apesar disso, é muito importante que o cão tenha um desenvolvimento ideal do enfoque de exercícios compatíveis com seu tempo de vida. É significativo que o proprietário evite sobrecargas de exercícios e, seguramente, não utilize substâncias anabolizantes que são capazes de comprometer o desenvolvimento do filhotinho, além de comprometer suas atividades hepáticas e renais. Um cão musculoso não nasce de uma hora para outra e o trabalho consiste em um programa bem estruturado de atividades físicas, de preferência com acompanhamento de peritos no assunto.

Pitbull – O essencial sobre
Avalie esta postagem